Criado inicialmente para garantir segurança de transações com o bitcoin, o blockchain está sendo aprimorado e utilizado em diversos setores, nos quais mostrou um ótimo desempenho em relação à proteção e transparência de dados. No caso do sistema eleitoral, a tecnologia também não deixa a desejar. Alguns países, como Estados Unidos, Dinamarca e Austrália já possuem projetos pilotos para o uso do blockchain para a votação. No Brasil, a Associação Brasileira de Fintechs (ABFintechs), por exemplo, decidiu escolher sua nova diretoria utilizando a ferramenta.

Segundo Tatiana Revoredo, especialista em blockchain, não é à toa que governos e instituições estão optando pelo uso da tecnologia em seus sistemas de votação. Para ela, o uso da ferramenta seria uma alternativa segura para a apuração eleitoral, inclusive no Brasil, encerrando a desconfiança e questionamentos a respeito das urnas eletrônicas.

“A adoção de um sistema de votação por blockchain reduziria possíveis fraudes eleitorais, erros na contagem de votos e, acima de tudo, a desconfiança da população, que poderia acompanhar todo o processo eleitoral, em tempo real”, completa.

Na prática, essa confiança é garantida por meio de uma combinação de hashing sequencial (espécie de impressão digital de um dado) e criptografia, em conjunto com a estrutura distribuída do blockchain. Dessa forma, ele protegeria a identidade dos participantes da rede e ao mesmo tempo possibilitaria a verificação de todas as transações realizadas em sua plataforma.

“Isso assegura o desenvolvimento de mecanismos de votação extremamente seguros e transparentes, permitindo o acompanhamento das eleições voto a voto”, explica Tatiana.

Além disso, votar usando o celular ou um computador pessoal também é um dos benefícios que a aplicação da tecnologia no sistema eleitoral pode trazer. Rodrigo Borges, que é advogado e especialista em blockchain, confirma que isso abriria a possibilidade de criar um sistema eleitoral no universo blockchain, eliminando intermediários e, consequentemente, aumentando a rapidez de todo o processo.

“A tecnologia permite criar um sistema de votação blockchain e ele pode ser acessado seja por celular, à distância ou presencialmente”, explica.

Sobre as críticas e suspeitas a respeito do sistema eleitoral adotado pelo Brasil hoje, Rodrigo afirma que o blockchain seria a chave para liquidar com esse problema.

“O sistema de votação brasileiro é constante alvo de desconfianças, tanto pela ausência de transparência, quanto por estar sujeito a um ente central que comanda isoladamente todo o sistema”, justifica o especialista.

“O blockchain acabaria com esses dois pontos, uma vez que o caráter distribuído impediria o controle isolado do sistema, além de garantir transparência, porque qualquer cidadão seria capaz de acompanhar o processo eleitoral. Por exemplo, se ele votar em determinado candidato, é possível verificar se de fato o seu voto foi computado para o candidato escolhido”, finaliza.

Para os especialistas em blockchain Rodrigo Borges e Tatiana Revoredo, o uso da tecnologia garantiria segurança e transparência nos processos eleitorais.

Fonte: Canal Tech.

Entre em contato conosco