Os ciberataques não param de crescer no Brasil. Foi o que constatou o dfndr lab, laboratório especializado em cibersegurança da PSafe, por meio de dados levantados ao longo do primeiro semestre deste ano. De acordo com o Relatório da Segurança Digital no Brasil, produzido pelo laboratório, foram registrados mais de 120 milhões de detecções de ciberataques somente nos primeiros seis meses – número 95,9% maior que o registrado no mesmo período de 2017.

Desse total, os meses de abril, maio e junho foram responsáveis por 63,8 milhões, um crescimento de 12% nas detecções quando comparados aos primeiros três meses do ano. Entre os principais ataques detectados no segundo trimestre, duas categorias se destacam por apresentarem os maiores crescimentos: Fake News (4,4 milhões de detecções) e Publicidade Suspeita (12,2 milhões de detecções), cujos aumentos de um trimestre para o outro foram de 51,7% e 50,4%, respectivamente.

“Os números são alarmantes. Se compararmos os dados ao total da população brasileira, projeta-se que um em cada três brasileiros pode ter sido vítima de cibercriminosos no segundo trimestre. Apenas nesse período, foram mais de 28 mil detecções de links maliciosos por hora, um volume que revela o tamanho do problema que estamos enfrentando na batalha contra os cibercriminosos”, alerta Emilio Simoni, diretor do dfndr lab.

Ao longo do trimestre, foi possível identificar mudanças na abordagem utilizada por cibercriminosos, em especial nos tipos de ataque que se destacaram: Fake News e Publicidade Suspeita. As notícias falsas estão passando por um processo de evolução na “qualidade” do conteúdo, apresentando textos mais sofisticados em matéria de gramática e coesão. Já no caso de Publicidade Suspeita a principal mudança identificada foi a estratégia de diversificar as fontes de ataque. Os cibercriminosos passaram a utilizar cada vez mais sites confiáveis, como grandes portais de notícia e de conteúdo, que foram a origem de mais de 40% dos falsos alertas.

Outro fator que chamou a atenção no período foi a confirmação de uma tendência identificada no último trimestre de 2017: o uso de notificações de celular como estratégia dos cibercriminosos para atingir um grande número de pessoas rapidamente. Eles investem em diversas formas de convencimento para que o usuário conceda permissão para o envio de notificações e, dessa forma, constroem uma base de pessoas. Por meio dela, enviam golpes diretamente para o celular das vítimas, sem que seja necessário clicar em link algum, e as incentivam a compartilhar, acelerando sua disseminação.

Quer se proteger contra ataques cibernéticos? Conte com a Future! Clique aqui e entre em contato conosco.

Fonte: IP News.

Entre em contato conosco