A evolução em direção à 5G não é somente uma questão de ser melhor, maior ou mais rápido. Essa trajetória também deve criar muitos serviços e casos de uso que devem tocar em praticamente todos os aspectos de nossas vidas. No entanto, para realizar todo seu potencial, a segurança será um fator crítico para essas aplicações 5G.

A 5G Americas, a associação setorial e a voz da 5G e LTE para as Américas, anunciou relatório A Evolução da Segurança em 5G, apresentando um mundo 5G baseado nos conceitos básicos da arquitetura de segurança de redes – representando uma evolução das melhores práticas para pessoas, processos e ferramentas.

A 5G será uma plataforma para aplicativos da Internet Massiva das Coisas (IMdC), como sensores de trânsito e serviços de veículo-para-infraestrutura (V2I), que são algumas das aplicações fundamentais de cidades inteligentes. É importante fechar as redes contra ataques externos, evitando acesso a esses dados, o sequestro de dispositivos IdC ou a interrupção de serviços usando ataques de Negação Distribuída de Serviço (DDoS). Felizmente, a segurança foi uma das prioridades na arquitetura desenvolvida pela 3GPP, a organização global de padronização. A arquitetura aproveita da forte segurança a tecnologia LTE já oferece e que serviu como base para desenvolvimento da 5G.

Chris Pearson, Presidente da 5G Americas, observou: “O setor de mobilidade sem fio sempre esteve focado em segurança, um dos principais diferenciais entre essa tecnologia e outras, é que são mais vulneráveis a ataque. O uso do espectro licenciado oferece uma camada forte de proteção contra a interceptação de tráfego de dados, voz e vídeo. Hoje, o processo de desenvolvimento está focado na tecnologia 5G e o setor móvel continua aprimorando a segurança com proteções novas e mais avançadas”.

O relatório inclui uma análise abrangente das proteções que a tecnologia 5G oferece e as vulnerabilidades e vetores de ataque que essas proteções devem mitigar. O relatório também avalia as diferenças entre as tecnologias 5G, 4G e 3G em termos da arquitetura das redes core e de rádio, e como essas diferenças afetam os mecanismos de segurança disponíveis para as operadoras móveis, seus parceiros de negócios e clientes.

Múltiplos usos

Por exemplo, a 5G é a primeira arquitetura móvel projetada para suportar múltiplos casos de uso específicos, cada um com seus próprios requisitos de segurança digital. A segmentação de redes é uma medida comprovada do mundo de TI corporativo usada para mitigar riscos para a segurança. A 5G introduz o conceito de fatiamento de redes (network slicing), que oferece às operadoras móveis possibilidades de segmentação que antes não eram possíveis.

As funções e arquiteturas chaves das gerações anteriores (3G, 4G) ainda serão compatíveis com o ecossistema 5G. A 5G viabiliza a proliferação de tecnologias de acesso de todos os tipos, com velocidade de transmissão de dados que variam de Gbps até kbps, com e sem licenciamento, baseadas em grandes faixas de espectro, inclusive tecnologias desenvolvidas por outras organizações de padronização além da 3GPP.

O relatório A Evolução da Segurança em 5G analisa questões de segurança, considerações e repostas na área de ciber segurança, casos de uso 5G, funções de segurança para 5G-DDoS, os vários tipos de ameaça que terão que ser combatidos no mundo conectado da 5G, controles mitigados para redes 5G e a detecção e mitigação de ameaças IdC.

“Além de criar novas oportunidades e capacidades, com a adoção de computação em nuvem, computação distribuída e a convergência de redes de TI móveis e tradicionais, a tecnologia 5G também cria novas ameaças e vetores de ataque digitais”, disse Mike Geller, Principal Engenheiro de Sistemas da Cisco e um dos líderes do relatório. “É possível administrar a segurança 5G usando técnicas como automação orquestração, a construção de redes distribuídas, políticas, análises e muito mais. A segurança é, sempre foi e continuará sendo um aspecto crítico das redes que construímos e operamos”.

O relatório A Evolução da Segurança em 5G foi escrito pelos membros da 5G Americas e pode ser baixado gratuitamente do site da 5G Americas. O grupo que desenvolveu o relatório foi liderado por Sankar Ray, da AT&T, e Mike Geller, da Cisco, com o apoio do Conselho da 5G Americas, que participou no desenvolvimento deste relatório.

Fonte: IT Forum 365.

Entre em contato conosco