Os crimes cibernéticos continuam cada vez mais presentes e abrangentes. Um dos pontos de ataque mais vulneráveis e que, muitas vezes, passa desapercebido de quem precisa da internet para fazer negócio, divulgar um produto ou até mesmo a empresa é o site. As pessoas não dão muito importância, mas a página desenvolvida na rede pode estar totalmente insegura e, assim, causar muitos prejuízos ao empreendedor.

Estudos analíticos mostram que 95% do tráfego orgânico de um site se perde quando ele é notificado como inseguro. “Ele entra numa lista negra o que impacta diretamente as vendas e as receitas da empresa”, explica diretor de segurança.

A maioria dos ataques em sites ocorre devido à exploração de código inseguro. “O vetor de ataque está escondido dentro das muitas linhas de código que compõem o site. Quando uma falha de segurança se torna conhecida, todos os sites vulneráveis podem ser comprometidos em um período curto de tempo”, esclarece o especialista.

Como proteger o site?

Para checar se o site está seguro, é preciso implementar controles de defesa. Um diretor e especialista em segurança cibernética salienta que para evitar ataques, é necessário contar com serviços especializados que combinem ferramentas e processos que deem cobertura aos elementos da segurança de sites. “Mas, antes de mais nada, é necessário fazer uma verificação para checar as vulnerabilidades do site”, salienta.

Dependendo do diagnóstico, será necessária a busca ou não de uma assessoria especializada para remover qualquer tipo de vulnerabilidade do site.

Denominação dos ataques mais comuns a sites:

Força Bruta: processo automático de adivinhar senhas dos sites até que se encontre uma combinação.

Backdoors: Os atacantes deixam muitas maneiras de entrar num site hackeado, para que continuem a usá-lo, mesmo depois de a vulnerabilidade ser corrigida.

Desfiguração (Pichação): Um ataque que muda a aparência de um site, geralmente ao incluir imagens, mensagens na página principal do site.

DDOS: Um ataque que tira o site do ar com tráfego falso enviado de muitos computadores comprometidos.

Contaminação Cruzada de Sites: Um site hackeado espalha a infecção para outros sites que compartilham a mesma conta de servidor.

Spam de SEO: Um ataque que infecta sites com palavras-chave de spam e links para tentar enganar os motores de busca, com o objetivo de melhorar a classificação de conteúdos maliciosos.

Má-configuração do Host: Quando o ambiente do host é configurado usando práticas ruins, software de servidor vulnerável e outras falhas.

Malvertising: Ataque usado para infectar sites com anúncios maliciosos por meio de uma rede vulnerável de anúncios.

A Future possui as melhores soluções e serviços para manter sua empresa sempre segura. Saiba mais clicando aqui.

Fonte: JornalHoraExtra

Entre em contato conosco