O Departamento de Justiça dos EUA acusou o hacker chinês Yu Pingan, de 36 anos, de conspirar com outros dois conterrâneos para piratear as redes de três empresas norte-americanas, cujos nome não foram revelados.

Yu foi acusado de usar, entre outras ferramentas de hacking, código malicioso que mais tarde foi usado em um ataque contra a rede de computadores do Escritório de Gestão de Pessoal do governo americano, que abriga informações de todos os funcionários federais e sobre dezenas de milhares de trabalhadores que solicitam autorizações de documentos ultrassecretos. Além disso, ele teria violado uma série de companhias, incluindo uma das maiores empresas de seguro saúde dos EUA.

O caso é a primeira acusação formal contra um chinês, desde que em 2015 o presidente Barack Obama e o presidente Xi Jinping da China firmaram um acordo para troca de informações sobre roubo de segredos comerciais industriais. À época, Obama advertiu Xi Jinping que os Estados Unidos puniriam os criminosos com a aplicação da lei tradicional e poderia recorrer a sanções contra o país asiático.

A ação, impetrada na terça-feira, 22, desta semana em um tribunal federal de San Diego, na Califórnia, não revelou o nome das empresas vítimas do ciberataque, mas disse que elas tinham sede em Los Angeles, São Diego e Massachusetts, segundo o jornal The New York Times.

Yu foi acusado de usar o software malicioso conhecido como Sakula, descoberto em dezembro de 2012. O FBI havia identificado o uso do malware apenas em novembro de 2012, sugerindo que o chinês faz parte de um pequeno grupo de hackers que usam esse código malicioso. O Sakula foi detectado depois em uma série de outros ataques cibernéticos contra computadores do governo dos EUA. A mesma técnica foi usada pelos hackers chineses nos ataques a Anthem e outras seguradoras de saúde.

Yu foi preso segunda-feira, 21, no Aeroporto Internacional de Los Angeles e fez sua primeira aparição pública na terça-feira, 22, no Tribunal Federal de San Diego. O chinês, que mora em Xangai, é especialista em segurança de redes e programação de computadores. Seu advogado disse que ele também era professor de informática.

A Future é uma empresa especializada em Segurança da Informação, Disponibilidade e Performance; e pode auxiliá-lo na proteção dos seus dados e de sua empresa. Conheça nossas Soluções clicando aqui!

Fonte: ComputerWorld