a segurança da informação vai muito além da simples proteção contra vírus e malware. Um exemplo é o ataque phishing, que não é um malware, mas simplesmente uma estratégia hacker para convencer internautas a clicarem em links maliciosos, normalmente com falsas campanhas como "isca".

Brasileiros ainda enxergam segurança cibernética como commodity. “Costumo dizer: você consegue sair do supermercado com uma caixa de leite e uma caixa de antivírus na mão”, brinca diretor-geral de empresa de segurança no Brasil.

“Não que tenha acabado, mas antivírus são apenas um pedaço pequeno do que é a segurança atualmente. Ainda confundem segurança com antivírus”, alerta o executivo, que há um ano e meio lidera as operações da companhia russa de segurança cibernética no Brasil.

O executivo lembra que a segurança da informação vai muito além da simples proteção contra vírus e malware. Um exemplo é o ataque phishing, que não é um malware, mas simplesmente uma estratégia hacker para convencer internautas a clicarem em links maliciosos, normalmente com falsas campanhas como “isca”. “Você precisa ter uma segurança embarcada que diz que esse site não é verdadeiro”, defende.

Uma das principais causas da vulnerabilidade de organizações, para ele, são estratégias inadequadas. “Empresas faturam como companhias mas têm mentalidade de proteção como usuários caseiros: (produtos) grátis. Elas ainda usam proteção grátis que vem embarcada nos dispositivos”, comenta. “E o grátis sai caro”, alerta.

Origem do problema

Diretor-geral recorre a sua experiência no início da carreira para lembrar uma das origens da falta de cultura de segurança em organizações. “Fui gestor de TI em banco e o que acontece é que TI geralmente é uma área sem faturamento dentro de empresas. Por isso, é difícil conseguir verba para investimentos em segurança. De maneira geral, quando é pedido para reduzir gastos, significa gastar menos. Por isso a empresa vai comprar algo mais barato.”

Entra por um ouvido e sai pelo outro

O devastador caso do ransomware WannaCry, que derrubou milhões de máquinas em todo o mundo no ano passado, foi tratado por muitas pessoas como um verdadeiro alerta para companhias. O diretor concorda com a afirmação, mas diz que esse boom durou não mais que seis meses. “O WannaCry acordou muita gente, mas infelizmente temos mentalidade de que nada vai acontecer conosco. É como dizer que um raio não cairá duas vezes no mesmo lugar. Com segurança é ao contrário. Se você foi atacado uma vez, será de novo. E até com mais certeza porque o mercado sabe que você é inseguro”, diz.

O mega ataque criou preocupação, mas caiu no esquecimento em meio a tantas outras preocupações do dia a dia.

Segurança no core

O fato é que empresas estão mais avançadas no quesito segurança da informação, inclusive com o avanço da figura do CISO (Chief Information Security Officer), mas ainda há barreiras a serem quebradas.

O executivo cita como bons exemplos os casos de empresas como bancos e seguradoras, que têm criado o papel do arquiteto de segurança, profissional responsável por pensar a segurança em cada projeto desenvolvido. E é justamente esse ponto que ele defende: colocar a segurança da informação no início de cada discussão, senão pode ser tarde demais.

“É como projetar um carro. A montadora cria todas as peças e no fim vai colocar banco, cinto de segurança e airbag? Pode ser que não caiba no veículo. É preciso pensar tudo desde o começo de cada produção. Da mesma forma a segurança da informação, que tem de ser by design e pensada antes de qualquer processo.”

O diretor, por fim, diz também que vê uma postura mais avançada, mas organizações ainda continuam pensando que a aquisição de uma única tecnologia resolve o problema. “Não existe segurança default em dispositivos”, finaliza.

A Future possui as melhores soluções e serviços para manter sua empresa sempre segura. Saiba mais clicando aqui.

Fonte: ComputerWorld